quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Ano Novo, Velha Dependência!!!


“Portanto, humilhem-se debaixo da poderosa mão de Deus, para que ele os exalte no tempo devido. Lancem sobre ele toda a sua ansiedade, porque ele tem cuidado de vocês”. 1 Pedro 5:6,7
            É muito bom estarmos mais uma vez vivendo a expectativa de um novo ano. 2015 foi um ano de muitas dificuldades, principalmente financeiras. Contudo, com certeza, também deixará saudades de tudo aquilo que vivemos de bom.
E o que acontecerá em 2016? Ninguém sabe!!!
            O ser humano é muito desejoso de conhecer aquilo que está por vir, mas também sabe da sua incapacidade para realizar tal desejo, pois só Deus é soberano, só Ele é capaz de ver o futuro, só para Ele o ontem, o hoje e o amanhã estão descobertos, portanto só há uma coisa a fazer; Descansar Nele.
            Pedro ao escrever para um grupo de cristãos que estavam preocupados com seu futuro por causa da perseguição religiosa disse: “lancem sobre Ele a sua ansiedade”. Em outras palavras confiem no Senhor, Ele é o coordenador da história humana, inclusive da sua. Descanse através da oração, descanse através da adoração, descanse através do conhecimento desse Deus maravilhoso (leia a Bíblia), descanse através da comunhão com os santos (vá há uma igreja, onde a Palavra de Deus é ensinada). Em 2016 descanse em Deus. Ele quer que você confie Nele, pois Ele tem todo Poder sobre todas as coisas. Sendo assim quero desafiá-lo. Em 2016: “Entrega o teu caminho ao Senhor, confia Nele, e o mais Ele fará” Salmo 37.5

            Feliz 2016 em Cristo!

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Feliz Natal, Jesus Nasceu!


Ao entrarem na casa, viram o menino com Maria, sua mãe, e, prostrando-se, o adoraram. Então abriram os seus tesouros e lhe deram presentes: ouro, incenso e mirra”. Mt 2.11
Hoje mais uma vez comemoramos o Natal, data especial no mundo ocidental. Onde o povo reconhece a chegada do... bom velhinho. Um senhor simpático que desce as chaminés das casas e deixa presentes para as crianças que foram educadas durante todo o ano. Infelizmente a figura do bom velhinho com suas mágicas renas que o fazem dar a volta ao mundo em uma só noite, encobre o verdadeiro dono desta data.
Natal é a celebração por causa do nascimento do Messias, do Cristo, do Rei dos Reis, do Deus Todo Poderoso; do Salvador!!! Enquanto as pessoas dão atenção aos enfeites, as árvores, as luzes, aos comes e bebes... o menino Jesus fica “no canto da sala”. Em alguns lares ele é lembrado na hora da ação de graças pelo alimento, que todos estão ansiosos para comer, em outros ele é substituído por alguém que se veste do bom velhinho e entrega presente as crianças.
No entanto, o texto de Mateus 2.11 conta a história de alguns homens que viajaram muito para poder chegar no nascimento do Menino Jesus, o objetivo deles era adorar o Deus encarnado. Os olhos desses homens estavam atentos ao grande milagre, suas mãos, “certamente tremulas” seguravam presentes para o Rei dos Reis, aliás presentes dignos de um Rei (ouro, incenso e mirra). Não havia distrações naquele lugar e ainda que houvesses duvido que tivessem o poder de tirar a atenção daqueles homens, pois eles foram se render ao Senhor de toda terra. Hoje é dia de agradecer a Deus, pois Ele em Sua infinita misericórdia veio morar conosco. Como disse Billy Graham: “O maior acontecimento da história não foi o homem subir e pisar na lua, foi Deus descer e pisar na Terra”. E ele fez isso por mim e por você. Se Jesus Cristo não tivesse encarnado para se oferecer como sacrifício em nosso lugar estaríamos perdidos por toda a eternidade.
Não deixe que nada tire sua atenção hoje, lembre-se que é dia de adorarmos e nos entregarmos ao Senhor Jesus Cristo, verdadeiro dono desta data e o Único digno de Honra, Glória e Louvor.
Feliz Natal. Jesus Nasceu!!!

Pr. Edilson Nunes

terça-feira, 10 de novembro de 2015

Venceremos o Mundo

VENCEREMOS O MUNDO!
“Estas coisas vos tenho dito para que tenhais paz em mim. No mundo, passais por aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo.”. João 16:33
             Acredito que o maior sonho do ser humano é uma vida sem aflições. Nós adoraríamos viver a vida toda e nunca ter de ir ao médico por estar doente. Adoraríamos viver a vida sem ter nenhum tipo de problema financeiro. Adoraríamos nunca ter de chorar por um ente querido que se vai levado pela morte. Adoraríamos não ter nenhum tipo de problema de relacionamento. Ah… isso seria o paraíso, não é mesmo? Mas infelizmente as aflições estão aí. Ficamos doentes, temos problemas financeiros, temos problemas de relacionamento e as pessoas queridas continuam morrendo. O que devemos fazer frente a essas situações? Cristo nos manda enfrentar, sim enfrentar as aflições.
            Enquanto milhares de pessoas estão ludibriadas por um evangelho torpe, mesquinho e falso. Um evangelho que fica adulando os ouvintes, fazendo-os de bobos. Ensinando que as aflições não são para os “crentes”, mandando que eles se livrem dos problemas com “vagas orações” de determinação, enchendo suas mentes com “pseudas verdades” vindas de experiências e visões sobrenaturais. Homens e mulheres que se acham maiores que o próprio Cristo, que usam do seu carisma para adulterar a verdade do evangelho e anunciar suas vãs filosofias que entorpecem as mentes, alienando do mundo, frágeis cristãos sinceros, convertendo-os em fanáticos religiosos que correm longe da verdade, achando-se donos da mesma como os fariseus da época de Jesus. Esse “evangelho” e seus profissionais pregadores contribuem para gerar uma “cristandade” pobre de  conhecimento da Palavra e de prática cristã.
            A Palavra de Deus nunca escondeu a dificuldade de servir a Cristo e também nunca prometeu benesses sem fim neste mundo. No entanto, essa mesma Palavra nos manda ter bom ânimo nas aflições porque o nosso Deus, o Senhor Jesus Cristo, venceu esse fatídico mundo. E convida-nos a esperar com entusiasmo, mesmo tendo aflição aqui, um outro mundo. Esse sim, sem aflições, sem médicos, sem conta no vermelho, sem problemas de relacionamento e sem a dolorosa morte. Ap 21.1-4.   
 Pr. Edilson Nunes

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Aprendendo com os maus exemplos


“Contudo, Deus não se agradou da maioria deles, por isso os seus corpos ficaram espalhados no deserto. Essas coisas ocorreram como exemplo para nós, para que não cobicemos coisas más”        I Co 10: 5,6
É fato que somos eternos aprendizes. Aprendemos coisas boas e também aprendemos coisas ruins. Contudo os maus exemplos são deixados para o nosso conhecimento  para aprendermos o “como não fazer”. 
Algum tempo atrás assisti um vídeo com o título: “Criança vê, Criança Faz” e nesse vídeo mostrava os pais dando maus exemplos e seus filhos os copiando. Sei que isso é uma verdade, os filhos imitam seus pais, por isso Deus quer que sejamos bons exemplos aos nossos filhos.  
Na história citada nos versículos acima por Paulo os nossos irmãos judeus tinham feito coisas terríveis diante de Deus e por causa disso Deus os puniu fazendo com que morressem no deserto. Paulo então nos convida a pensar que essa história foi deixada como exemplo do que não devemos fazer. A Bíblia está cheia desses maus exemplos.
Precisamos aprender que o Senhor quer nos ensinar através dessas terríveis ações contra o povo de Israel, Ele deseja que nos desviemos do mau caminho que eles andaram.
Ver o erro de Israel e a punição de Deus sobre eles devia nos levar rapidamente para o lado das boas escolhas, mas infelizmente, a pecaminosidade do nosso coração muitas vezes nos leva realmente a fazer aquilo que Deus não se agrada e é aí que devemos pensar na advertência desse texto, pois se Deus puniu a eles, certamente também nos punirá. A advertência firme do Senhor deve trazer temor em nosso coração e nos levar a nos identificarmos com Ele e então seguirmos a sua Vontade.  
Vale a pena notar que Paulo diz que o que levou o povo de Israel pecar foi a cobiça no coração, eles deixaram os mandamentos do Senhor de lado e prosseguiram conduzidos pelas paixões de seus corações pecadores. Quantas vezes nós andamos da mesma maneira, não é? Esquecemos os conselhos de Deus e somos envolvidos pelos pecados que tenazmente nos assedia. Contudo há para nós um caminho de volta; o arrependimento! Que o exemplo da punição de Israel traga temor ao seu coração.

  Pr. Edilson Nunes

sábado, 12 de setembro de 2015

O Dízimo para o Senhor

Separem o dízimo de tudo o que a terra produzir anualmente... troquem o dízimo por prata, e levem a prata ao local que o Senhor, o seu Deus, tiver escolhido”. Deuteronômio 14: 22 e 25


            É interessante como os seres humanos são seletivos, escolhemos sempre as coisas que mais nos agradam, e negligenciamos aquelas que nos trazem dificuldades. Infelizmente essa prática ruim tem ocupado lugar em nosso coração quando nos relacionamos com Deus. Somos seletivos na obediência à Sua Palavra. Gostamos das partes da Palavra onde há “declaração de bênção para nós” e nos esquivamos daquelas que nos convidam a um  comprometimento com Deus e o seu reino. Um dos assuntos que a maioria dos crentes modernos tem se esquivado é com relação aos dízimos e ofertas.
            Deus “instituiu o dizimo” através do exemplo de Abraão que deu seu dízimo a Melquisedeque  (Hb 7.2) e, a partir dali, parece ter se tornado algo comum para os judeus.
            No momento em que Israel está se tornando uma nação Deus requer o compromisso com os dízimos e ofertas. Ele instrui o povo a levar uma vez por ano todo o seu dizimo a presença do Senhor, portanto, anualmente todo judeu juntamente com sua família deveria levar ao templo 10% de tudo aquilo que tivessem colhido durante o ano. Caso o dizimo de tudo o que tivesse colhido, se fosse muito e eles morassem longe do local onde deviam levar o dízimo, deviam trocar por prata, ou seja, vender os itens e levar o dinheiro. Deviam também participar dos dízimos ao chegar a casa de Deus, numa lição que o dízimo da família voltava em seu próprio favor. Eles também não podiam esquecer dos levitas que não tinham herança sobre a terra que Deus tinha dado a Israel, logo o dizimo de todo o povo era a manutenção dessa tribo (Levi) que servia ao Senhor em todo o tempo no templo, ou nesse momento no Tabernáculo.
            Hoje o dizimo tem a mesma função, ele é útil ao povo que serve a Deus na igreja em que o dizimo é entregue, ou seja, os recursos são usados para a manutenção do templo e suas atividades e também para o sustendo daqueles que servem ao Senhor com seus ministérios, em nosso caso, o pastor da igreja local e os missionários que sustentamos no campo. Traga seu dizimo, pois ele pertence ao Senhor.

Pr. Edilson Nunes

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Crente carnal, eu?


“Irmãos, não lhes pude falar como a espirituais, mas como a carnais, como a crianças em Cristo... porque ainda são carnais”.  I Coríntios 3:1 e 3a

                        Você já pensou que pode ser um crente carnal? É estranho pensarmos em crentes carnais, pois muitas vezes faremos referência a nós mesmo como pessoas espirituais, no entanto, alguns em Corinto se mantiveram ou se tornaram crentes carnais.
            A pergunta é: “O que identifica se eu sou Carnal ou Espiritual?”
            O carnal é invejoso, e muitos de nós declaramos que não somos invejosos, mas será que estamos sendo sinceros no autoexame? Pois às vezes não invejamos o que as pessoas têm, mas muitas vezes invejamos o que ela é. Invejamos porque ela prega melhor, canta melhor, ora melhor e até mesmo porque ela se dá melhor no relacionamento com a (o) esposa (o), o que muitas vezes nutre raiva em nosso coração por essa pessoa, pois parece que ela é muito certinha e que vive em mundo de faz de contas. Olhe para dentro do seu coração, será que você não está invejando alguém nesse momento da sua vida?
            O Carnal é “divisor”, ele compete, acha que o dele sempre é melhor, aliás se acha melhor. Acredita fielmente que ele é indispensável pra qualquer coisa, por isso, desfaz do que os outros realizam. Põe uns contra os outros, por assim dizer ele também é fofoqueiro e maledicente. O seu coração é perverso. Será que você não se tornou uma pessoa assim? Será que você quando conversa com um irmão da sua igreja não fala mal de outro (ou outros)? Verifique seu coração, pois a Palavra de Deus ensina que Deus abomina aquele que semeia contenda entre os irmãos (Pv 6:16-19).
            O crente Espiritual é diferente. Ele reconhece o Senhor em seu caminho, ele compreende que as pessoas são importantes, mas não dá exacerbado valor a nenhuma, pois é Deus quem efetua o que é realmente essencial (I Co 3:5,6).  Ele compreende que não pertence mais a si mesmo, mas que agora ele é propriedade do Senhor e por isso se tornou cooperador de Deus. Também reconhece que suas obras têm que ser conforme a vontade de Deus, para que sejam aprovadas pelo Senhor naquele dia (I Co 3:12,13).
            Será que você tem sido assim como esse crente? Pesquise seu coração e veja se tudo que você faz tem como objetivo que você não seja visto e que o Senhor seja engrandecido. Era assim que agia o profeta João Batista, fazendo Cristo ser engrandecido enquanto ele diminuía. Se o seu coração é assim ore para que Deus o mantenha, se não é assim, ore para que o Senhor o transforme.

                                            Pr. Edilson Nunes

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Nossas Armas de Guerra

Mensagem pregada na ICE Jardim das Indústrias de Jacareí no dia 19 de abril de 2015

Relações Cortadas!


“Ao ouvirem a voz do Senhor Deus, que andava pelo jardim no final da tarde, o homem e sua mulher esconderam-se da presença do Senhor Deus, entre as árvores do Jardim”. Gn 3.8.
Uma das grandes consequências do pecado é trazer complicações nas relações humanas e com o próprio Deus. Quando lemos o texto de Genesis 3 podemos perceber nitidamente como a relação de Adão e Eva com o Senhor foi alterada. Ao ouvirem a voz do Senhor no jardim eles se esconderam. Na maioria das vezes o pecado faz isso conosco. Nós preferimos os lugares aonde Deus não é mencionado. Buscamos distancia do Senhor, inventamos mil desculpas para não ir a igreja, aos pequenos grupos, nas casas dos irmãos e muito menos pedimos ajuda. Simplesmente nos escondemos. Cuidado esse é o primeiro passo para abandonarmos o Senhor que morreu na cruz por nós. A outra consequência é que as complicações afetam as relações humanas. Ao lermos a Bíblia atenciosamente podemos perceber o quanto Deus se importa com as relações humanas. Ele colocou isso na máxima dos mandamentos. Ame ao Senhor e o seu próximo como a ti mesmo, no entanto, muitas vezes nós não compreendermos o que é amar o próximo. Adão não compreendeu, pois quando Deus pediu-lhe esclarecimento do que estava acontecendo ele culpou Eva: “foi a mulher que tu me deste”. Não era essa a expectativa de Deus com relação ao seu líder Adão, com certeza Deus desejava que Adão se arrependesse pelo seu pecado e não acusasse outra pessoa por isso. Ainda hoje agimos da mesma maneira há muitas “Evas” para acusarmos, por exemplo, “a culpa foi do motorista que mês fechou, por isso eu explodi”; “Foi a desobediência do meu filho que me levou a quebrar o braço dele”; “Foi o fato dela não preparar o jantar na hora que eu preciso que me tirou do sério”; “Foi a estupidez do irmão fulano que me fez não querer mais ir a igreja” e daí por diante. Somos bons para reconhecer o motivo que me levou ao pecado, mas somos péssimos para reconhecer a causa, ou seja, nosso coração contaminado pelo pecado e, portanto, desobediente a vontade de Deus.
Pense na sua relação com Deus e com o seu próximo e compreenda que só uma maneira de fazermos isso dar certo novamente, a solução se chama “Jesus Cristo”, é Nele que temos paz com Deus Rm 5.1 e é por meio dele que podemos amar o próximo e então ter a comunhão restaurada Rm 12.10.

Tome a atitude hoje mesmo diante de Deus reconhecendo os seus pecados e peça perdão ao Senhor (I João 1.9) e olhe para as pessoas ao seu redor como alguém que necessita do seu amor e peça ao Senhor ajuda para amá-los. Deus te abençoe.

sexta-feira, 15 de maio de 2015

terça-feira, 12 de maio de 2015

terça-feira, 7 de abril de 2015

Ele se Entregou Por Mim

Ele se Entregou por Mim
“Por isso é que meu Pai me ama, porque eu dou a minha vida para retomá-la." João 10:17
                       
            A vontade de Deus sempre foi restaurar sua intimidade com a criação, intimidade essa destruída por causa do pecado, pois como a Bíblia nos ensina “nosso pecado faz separação entre nós e o nosso Deus” Is 59.2. A partir do momento que o homem foi expulso do Jardim do Éden Deus está à sua “procura”.
            O Antigo Testamento mostra que o Senhor estabeleceu algum tipo de comunicação com o homem quando este se desviou da sua vontade; foi Ele que avisou Caim sobre o perigo do pecado em seu coração; foi Ele que estabeleceu um relacionamento com o Enoque; foi ele quem alertou Noé sobre a terrível destruição que viria; foi ele que chamou Abraão para ser pai de numerosa nação, foi Ele que exaltou José a Governador no Egito para cuidar do seu povo; foi ele que chamou Moisés para livrar o povo do cativeiro; foi Ele que estabeleceu juízes para conduzir o povo à Sua vontade; foi Ele que levantou reis como Davi para reinar diante de Sua presença; foi Ele que levantou profetas para alertar seu povo e novamente conduzi-los a uma intimidade consigo mesmo. Foi Ele, é sempre ele que dá o primeiro passo para nos achar, será sempre Ele que conduz o homem ao arrependimento e a restauração da intimidade, por fim, foi Ele que decidiu ir a Cruz e dar a Sua vida em resgate do seu povo para que essa intimidade fosse elevada ao mais alto nível desde que o homem foi banido do Éden, pois por causa do Seu sacrifício, hoje o Seu Espírito habita em nós e não há maior intimidade que essa. Louvado Seja o Senhor Jesus.
            A Cruz não foi um erro de cálculo, A cruz não foi uma invenção de Satanás, A Cruz não foi uma vitória dos Romanos, A cruz não foi a derrota de Deus; A Cruz foi o mais alto gesto de amor de Deus por sua criação caída no pecado, por isso Cristo esteve Nela por escolha própria, ele deu a sua vida, pois ninguém poderia tirá-la, sabe por que? Porque na Cruz estava o Autor da Vida.
            Nossa alegria está na morte de Cristo, se Ele não fosse à Cruz nós estaríamos perdidos eternamente, por isso, quando Cristo ressuscitou foi a autenticação para nós de que o plano de salvação da Cruz foi um “sucesso” e agora, por que ele ressuscitou, nós podemos crer no plano magnífico de Deus em nos salvar por meio da Cruz.
            Louvado seja o Senhor Jesus que foi à cruz espontaneamente por causa do seu grande amor.

                                               Pr. Edilson Nunes

segunda-feira, 16 de março de 2015

O Desafio de Despir e Revestir - mensagem em áudio

O Desafio de Despir e Revestir

O Corpo de Cristo em Funcionamento - Mensagem em áudio

O Corpo de Cristo em Funcionamento

Vídeo Acampamento 2015

Vídeo do Acampamento Carnaval 2015

Unidade Parte 2 - Mensagem em áudio

Unidade

Unidade Parte 1 - Mensagem em áudio

Unidade

Propósitos para 2015

Propósitos para 2015

Jesus não quer fãs, Jesus quer discípulos




Certo homem importante lhe perguntou: "Bom Mestre, que farei para herdar a vida eterna?" Lucas 18:18
                        O versículo acima começa com a expressão de admiração. Na época de Cristo muitos pregadores e “professores” que tinham seguidores eram conhecidos por “Mestre” (Rabi), no caso esse jovem estava elevando um pouco mais Jesus quando disse “Bom Mestre”. Jesus ao perceber “o assédio de um fã”, responde: “Porque me chamas bom?”. Jesus já estava testando aquele jovem com essa primeira pergunta.
            É nítido que Jesus estava se posicionando como alguém que não está atrás de reconhecimento, de público ou de multidões atrás de si.
Em outro momento de seu ministério Cristo falou duro com aqueles que estavam o seguindo por causa dos milagres da multiplicação de pães e peixes. Após terminar seu sermão muitos o abandonaram e a conclusão dos discípulos foi: “duro é esse discurso”, ou seja, o discurso de Cristo não estava direcionado para arrecadar seguidores, mas antes estava fundamento na verdade de Deus; e se o preço fosse ter poucos seguidores Cristo estava “feliz” com isso.
            Voltando a história do jovem rico em Lucas 18, Jesus deu a ele uma chance de deixar de lado a postura de fã e assumir o compromisso de ser discípulo.
            O jovem demonstrou ser fã quando disse a Cristo que concordava com seus ensinos: “A tudo isso tenho obedecido desde a adolescência” (21), ou seja, ele estava do lado daqueles que aplaudiriam Jesus após uma pregação, mas não foi pra isso que Cristo veio, ele veio para fazer discípulos e não arrebanhar fãs, é nesse momento que Cristo faz o convite: “deixa tudo e me segue”, foi o mesmo desafio que ele fez, aos doze apóstolos. O jovem deveria abrir mão de tudo e seguir à Cristo, ou seja, tornar-se discípulo e não simples fã, no entanto, o compromisso para tornar-se discípulo de Cristo foi muito alto para aquele coração agarrado às riquezas. Infelizmente vejo o mesmo quadro nos dias atuais, muitos não querem seguir à Cristo, por não querer o compromisso, preferem ficar na ala dos fãs, onde só precisam aplaudir os discursos de Cristo, onde podem se dizer “seguidores dos seus ensinamentos”, amantes de suas ideias, mas que nunca assumiram o compromisso de andar com ele e de realmente viver seus ensinamentos e não somente achá-los interessantes, geniais, relevantes, idealistas, revolucionários, etc.
            Você é um fã ou um discípulo de Cristo? Pense sobre isso.
Pr. Edilson Nunes